Menu

Espinheira Santa: um santo remédio

setembro 30, 2013 - Saúde, Tratamento
Espinheira Santa: um santo remédio
Rate this post
Reprodução

Reprodução

Geralmente aparece como um arbusto, de mais ou menos 80 centímetros de altura, mas pode chegar até aos 2 metros! A espinheira santa, uma planta totalmente brasileira muito consumida em toda a América do Sul, foi assim batizada porque suas folhas são mesmo espinhosas e porque é um santo remédio para vários problemas. Aliás, também é conhecida como espinho de Deus e espinheira divina. Também é interessante comentar que os indígenas usavam essa planta para combater tumores e, por isso, ainda nos dias de hoje, alguns a chamam de erva cancerosa.

As folhas e os talos desta planta são muito usados no Uruguai e na Argentina junto com a erva-mate, no chimarrão. Como ela é um poderoso agente antiácido, cai como uma luva para os adeptos ao mate, que costumam padecer de mal-estar estomacal. Mas, além disso, a espinheira também ajuda em casos de úlceras estomacais, de pressão alta, de dores nas articulações e facilita a salivação.

Reprodução

Reprodução

No Brasil, a espinheira santa é usada em forma de chá, para combater a gastrite e as úlceras, mas também para a asma, para as dores ciáticas e para a prevenção do câncer. A infusão das folhas também tem usos externos, como cicatrizante e antisséptico, em especial para peles com acne. Lavar o rosto com água de espinheira garante uma pele limpa e livre dos detestados cravos e espinhas.

Mas não para por aí!

Nossas mulheres antigas conhecem outros usos para esta santa planta: casos de alcoolismo foram curados por completo com o uso da espinheira santa e muitos bebês foram evitados por ela. Diz-se que ela tem um altíssimo poder contraceptivo.

Reprodução

Reprodução

Quando unida a outra planta velha conhecida, a cáscara sagrada, a espinheira santa se dota de um altíssimo poder diurético, potencializado pelo poder dessa segunda erva que auxilia no alívio da prisão de ventre. Essa mistura é bastante indicada como coadjuvante em dietas equilibradas.

Renata Brinati

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.