Menu

EFT: Acupuntura emocional

setembro 25, 2013 - Corpo, Saúde, Tratamento
EFT: Acupuntura emocional
Rate this post
Reprodução

Reprodução

A acupuntura é um ramo da medicina tradicional chinesa que tem como base a estimulação, com agulhas ou com sementes de mostarda, de uma série de pontos corporais no intuito de alcançar o equilíbrio e normalizar a fluência da energia Ki, a energia vital presente em todos os corpos vivos.

 

A técnica de acupuntura conhecida como EFT, a abreviatura de técnicas de liberação emocional, em inglês, baseia-se no desbloqueio dos meridianos energéticos já trabalhados na acupuntura tradicional, sem o emprego de agulhas ou de sementes. Daí ser vulgarmente conhecida como “acupuntura sem agulhas”.

Reprodução

Reprodução

A EFT foi desenvolvida pelo psicólogo e acupunturista norte-americano Dr. Roger Callahan, que praticava a psicoterapia tradicional e, paralelamente e ela, fazia uso da acupuntura em seus pacientes. Um dia, ele decidiu testar uma nova ideia: estimular um ponto do meridiano ligado ao estômago de uma paciente que padecia de fobia e se queixava de uma sensação desagradável nesse órgão. Após algumas sessões, sem mais, tanto a sensação como a fobia desapareceram por completo. Como todas as grandes descobertas, esta também se deu quase que por acaso.

 

A partir desse dia, o Dr. Roger Callahan seguiu seus estudos e desenvolveu um método chamado TFT – sigla para Terapia do Campo do Pensamento, em inglês – que veio a originar posteriormente a EFT.

 A técnica

A grande diferença da EFT ante a aplicação de acupuntura tradicional é que o instrumento usado para estimular os pontos são os dedos e não as agulhas. Assim, o acupunturista se focaliza nos pontos devidos, segundo o quadro emocional de cada paciente, e passa à estimulação, por meio de pressão suave ou ligeiros golpes.

Reprodução

Reprodução

Entre as emoções tratadas pela EFT, estão a ira, a tristeza, a angústia, o temor, o medo, o pânico e as obsessões. O acupunturista consulta o paciente em uma conversa aberta e íntima, para reconhecer quais são as emoções que causam o desequilíbrio da Ki, e então passa para a estimulação, sem que o paciente deixe de comentar seus problemas. Isso ajuda no tratamento.

Desde as primeiras sessões se nota mudanças. E não se restringem somente ao emocional, claro. Uma vez que o corpo reage negativamente aos desequilíbrios emocionais, o paciente percebe uma melhora considerável em sua saúde geral.

Problemas que permanecem guardados durante anos e não conseguem resultados definitivos com outras terapias costumam ser resolvidos com tão só algumas aplicações desta técnica.

Renata Brinati

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.